Monday, April 16, 2007

Todos querem ser Toyota!


Quando você ouve alguém falar que tem um carro da marca Toyota, o que vem imediatamente à sua cabeça? Qualidade? Acertou. Há vários anos seus carros são desejados no mundo inteiro pela sua qualidade e tecnologia e de quebra um alto índice de fidelização de clientes.

Na prática

Seu modelo de gestão foi criado nos anos 50 pelo engenheiro Taiichi Ohno, tornou-se referência de mercado. A Toyota provou que qualidade e produtividade não são antagônicos , e isto permitiu que a Toyota fizesse e desenvolvesse carros pela metade do tempo, metade do custo, em metade do espaço, sem comprometer a qualidade. Na Toyota, a qualidade não é medida por amostragem de produtos acabados, mas feita peça por peça, processo por processo. Não por acaso, a empresa ousou lançar no mercado veículos com três anos de garantia. A próxima conquista da montadora já tem data marcada: este ano ela deve ultrapassar a GM e se tornar a maior do mundo no setor automotivo. Segundo dados do Lean Institute, o sistema garante ganhos em tempo recorde, sendo que em apenas um ano de implantação do modelo as empresas aumentam de 75% para 95% a pontualidade na entrega dos produtos, reduzem pela metade os estoques, diminuem em até 70% o tempo de manufatura e elevam, em média, 40% a sua capacidade produtiva. E o que é melhor, tudo isso sem grandes investimentos, exceto com o treinamento de pessoal.

Alcoa adotou ao toyotismo

Na Alcoa, que neste ano comemora uma década de toyotismo, o modelo de gestão integrou 360 unidades de negócios, em 40 países. De lá para cá, a multinacional de alumínio economizou US$ 1,2 bilhão, com a junção de áreas, redução de estoques, entre outras ações. A produção de ligas de alumínio, da fábrica de São Luiz (MA) saltou de duas mil toneladas por mês para 11,5 mil.

Outras empresas também estão aderindo fortemente ao toyotismo, como a Avon e Danone por exemplo.

Diferencial Toyota

A empresa possue um foco muito forte no cliente, buscando o que realmente interessa ao consumidor. Na fábrica a Toyota se restringir às necessidades do mercado. Ela atende aos apelos dos seus clientes proporcionando conforto e tecnologia na medida certa, mas eliminando desperdícios, inclusive descartando valores agregados ao produto que o cliente nem está disposto a pagar. O Corolla, por exemplo, é oferecido ao mercado em apenas cinco cores. Os concorrentes têm mais de dez. Uma pesquisa mostrou que 70% dos consumidores preferem este tipo de veículo nos tons prata e preto. Com isso, a Toyota fez uma economia brutal.


Veja também:




5 comments:

Paulo said...

Gostaria de ver outras empresas com este foco no cliente, onde o consumidor pode comprar mais por menos, se bem que R$60.000,00 num carro é dinheiro hein?

Marcello said...

Paulo, eu também gostaria de ver mais empresas interessadas em atender às necessidades de seus consumidores e ainda serem sustentáveis. Porém o valor percebido também pelo cliente é importante para se chegar ao preço do veículo, sem contar que BOA parte são impostos.

[]s

Samuel said...

Olá, o que mais me chama atenção ao Toyotismo é o modo como ele sugiu. Os problemas gerados pela guerra, faz surgir a necessidade de um modelo que fosse adequado ao cenário daquele período. Um aprendizado valioso que pode ser empregado em muitas áreas da nossa vida.

Abraços e até a próxima!!!

Samuka

Augusto2901 said...

otimo blog parabens

augusto
www.augusto2901.blogspot.com

Marcello said...

Obrigado pessoal! Vamos continuar nosso trabalho, escrevendo artigos e compartilhando nossos pontos de vista e conhecimento com vocês.

[]s