Wednesday, September 13, 2006

Bancos - faturando com as tarifas

Todos nós temos conta em algum banco e pegamos taxas do momento da abertura da conta até o seu fechamento. Durante o tempo que a conta está aberta, nos são cobradas taxas (tarifas) para todo o tipo de serviço e até alguns que desconhecemos e nos obrigam a ficar ligando para nossos gerentes e pedindo explicações. Bem, quando isto começou? Essas tarifas foram instituídas em 1994, quando a estabilidade econômica eliminou os ganhos dos bancos na ciranda financeira e essas taxas crescem continuamente. Os banqueiros ficaram muito felizes, pois descobriram poderiam oferecer uma quantidade enorme de serviços e cobrar por eles (um extrato é um serviço!!!). De acordo com um levantamento feito pela consultoria Austin Rating para a revista DINHEIRO mostrou que as receitas dessas taxas aumentaram 1.084% em cinco dos maiores bancos.

Alguns dados sobre o faturamento de 1994 a 2005

Bradesco
1994 - R$510,8 milhões
2005 - R$7,34 bilhões

Banco do Brasil

1994 - R$1,02 bilhão
2005 - R$7,64 bilhões

Unibanco

1997 - Saldou toda sua folha de pagamento com o dinheiro das tarifas.

Próxima fronteira
Além de criarem mais e mais serviços, os bancos também continuam agressivos no aumento da base de clientes. Na outra ponta, fazem de tudo para cortar seus custos nas agências e nos processos internos, aumentando sua lucratividade. Por outro, lado oferecem a internet banking, onde o custo da transação é baixíssimo e não pagamos para acessá-lo. Problemas de segurança a parte, todos nós preferimos utilizar o Internet banking para os mais diversos serviços porque é mais prático, não temos que ficar bufando nas filas das agências. Além disso, muitos serviços e produtos diferenciados podem ser adicionados ao internet banking e até mesmo plataformas diferentes (além do seu computador pessoal) para que você tenha o seu "banco no bolso" com os serviços para mobiles. Mas fique atento, porque parece que esta fronteira também será taxada. God save the Queen!!!


Veja também:

8 comments:

Leonardo said...

Pois eh porem infelizmente nao tem outra forma... Acho que alguns serviços nao deveriam ser taxados, somente serviços especiais ou que demandem um tempo maior... eu sempre me forço a nunca sair de um banco... ou ter dois bcos.. eu mesmo amanha se eu conseguir estarei mandando pro saco a minha conta no Itaú, onde fui obrigado a abrir cta... bom este eh outro fator a ser discutido... pq eu sou obrigado a abrir cta onde a empresa quer que eu abra? ela noa pode usar a cta que eu ja possuo??

Marcello said...

É Leonardo, também gostaria que alguns serviços fossem gratuitos ou que suas taxas estivessem próximas ao custo de sua transação. Quanto abrir conta pq a empresa nos indica, deve estar atrelado a alguma negociação entre ambos. Normalmente, neste caso são oferecidos pacotes de descontos em tarifas e até isenção.

[]s

kobalt said...

Constatamos que nós talvez não sejamos mais clientes, mas usuários de serviços de banco?

Leonardo said...

Exato... estamos mais para usuários dos serviços do que clientes...

Marcello said...

Isto me fez lembrar aquele banco virtual, o Banco Um (do Unibanco) não é mesmo? Éramos usuários do sistema!
[]s

Clau Komamura said...

Leonardo, nesse sentido os bancos oferecem incentivos às empresas que possuem folha de pagamento. Mas eu concordo, devíamos ter a possibilidade de escolha, desde que não conflita com os interesses da empresa em que trabalhamos (empresas de auditoria, por exemplo, não podem ter folha de pagamento nos bancos que auditam).

Abs
Claudia

Advogado do Diabo said...

Realmente a chamada Idústria Bancária não é uma das atividade econômicas mais bem vistas... Talvez porque todos nós tenhamos uma ou algumas histórias em que nos declaramos vítimas dos maquiavélicos banqueiros... Mas quando a conversa fica assim tão inflamada e negativa temos que tomar cuidado para não semos superficiais nas críticas. Mas julgamentos precipitados são comuns... Da mesma forma que é muito mais fácil arrancar aplausos de uma multidão com um discurso contra os porcos imundos Americanos do que entender e reconhecer os méritos do seu sucesso.
Voltemos aos bancos...
Os bancos estão enfrentando o mesmo tipo de desafio que outros provedores de serviços em massa. Assim como as telecom's, os bancos têm dificuldade satisfazer todos seus milhões de clientes que exigem cada vez mais, em menor tempo e a um preço justo. Como exemplo do esforço dos bancos em atender o novo nível de serviço exigido, temos a diferenciação do público de alta renda com reconhecimento de status acompanhado de um pacote de serviços diferenciados.

Quanto aos altos lucros, talvez seja uma recompensa justa que os bancos recebem pelo risco que correm... Qual outra atividade de capital intensivo é mais arriscada que a financeira? Mesmo seguindo as rígidas normas do Banco Central de gerenciamento de risco(Basileia 1, Basileia 2, capital regulatório, deposito compulsório...) um banco pode quebrar da noite pro dia.

É como dizem por aí... no pain no gain!!!

Marcello said...

Acredito que ficamos dependentes destes serviços de massa e por isso devemos ficar atentos ao que é cobrado ou taxado. A maioria das pessoas não acompanha e muitas vezes não entende o que está sendo cobrado e deixa por isso mesmo. Satisfazer as necessidades dos clientes é relativo. Aqueles que mais utilizam os "pacotes" de vantagens são pessoas de alta renda, que pagam menos tarifas!