Thursday, December 07, 2006

Migração e Estabilidade Populacional

Projeções do Censo nos Estados Unidos revelam que metade da população mundial vive em territórios de baixa fertilidade não são suficientes para repor suas populações atuais. Esses países incluem não só os europeus, a Rússia e o Japão, onde o problema é particularmente sério, mas também outras regiões desenvolvidas como Austrália, Nova Zelândia, América do Norte e países do leste da Ásia, como Cingapura, Hong Kong, Taiwan e Coréia do Sul. Alguns países em desenvolvimento como Turquia, Argélia, Tunísia e Líbano, também tiveram queda abaixo de 2,1 crianças por mulher, taxa necessária para se manter a estabilidade populacional a longo prazo.

A China é um caso especial, no qual a transição para uma população mais idosa - cerca de 400 milhões de chineses terão mais de 65 anos em 2020 - é particularmente preocupante, e o surgimento de um sério desiquilíbrio de gêneros pode ter graves repercussões políticas, sociais e mesmo internacionais. Um sistema pecuniário problemático indica que muitos chineses terão de continuar a trabalhar na velhice.

A migração tem o potencial de ajudar a resolver o problema do declínio da população economicamente ativa na Europa e, em grau menor, na Rússia e no Japão; provavelmente, os movimentos migratórios se tornarão uma característica importante no mundo de 2.020, mesmo que muitos dos migrantes não tenham status legal. Os países que os receberão enfrentarão o desafio de integrar esses novos imigrantes de maneira a minimizar os conflitos sociais em potencial.

A remessa de divisas de trabalhadores migrantes é cada vez mais importante para economias em desenvolvimento. Alguns economistas acreditam que, nos países mais pobres, as remessas são maiores que os investimentos diretos estangeiros e, em alguns casos, maiores até mesmo que a receita das exportações.

Hoje, metade dos médicos de PhDs nigerianos reside nos EUA. A maioria dos especialistas não espera que a atual tendência de "fuga de cérebros" do Oriente Médio e da África diminua. Na verdade, ela pode aumentar com o crescimento das oportunidades de trabalho, particularmente na Europa.
Veja também:

3 comments:

Leonardo said...

Achei engraçado logo no inicio do texto... o Censo Brasileiro avalia como esta a população Brasileira.... acredito que o censo Frances se retrinja à França... Mas pq os EUA tem sempre que ter esta atitude de querer "cuidar" da vida dos outros?

Marcello said...

Boa Leonardo. Como eles tem muito dinheiro para pesquisar, estenderam "um pouco" a abrangência dos estudos.

[]s

Marcello

Marcel said...

Querer restringir a imigração (seja legal ou não)através de políticas repressivas, como vem ocorrendo nos EUA e na Europa é praticamente impossivel. Não há como impedir esse movimento de pessoas pelo mundo por 2 motivos:
1º) A situação de pobreza, desemprego e violência vivida nos países do Terceiro Mundo obriga seus habitantes a procurar melhores condições de vida em outro lugar. Trata-se de uma necessidade básica: a de sobreviver com dignidade. E contra esse tipo de desejo é muito difícil de se lutar, mesmo com a construção de muros, cercas, policiais armados e o que mais se tiver à mão.
2º) Sem imigrantes os países do Primeiro Mundo sofrerão uma crise de mão-de-obra que ameaçará suas próprias economias, visto que hoje, a grande maioria dos trabalhadores braçais desses países é composta por imigrantes.

Além disso, a imigração é um fenômeno natural, inerente a história da humanidade e responsável por nossa própria evolução. Impedi-la é tentar impedir a própria evolução humana. Portanto, impossível de ser realizada.