Wednesday, June 21, 2006

Energia III - Tensão e Sinergia




Por que a China deveria restringir seu consumo de energia e preocupar-se com o meio ambiente, se Europa e EUA consumiram toda a energia que precisaram durante seu desenvolvimento?

Energia para crescer e se desenvolver...Uma criança precisa de alimentos que se transformam em energia, para atividades físicas, para ler, escrever, tocar um instrumento, comunicar, etc. Corte esta fonte de energia, e estaremos impedindo que esta criança se desenvolva em sua plenitude. Um país em crescimento necessita de energia, muita energia, e hoje este crescimento está baseado no Petróleo.

Os navios petroleiros do Oriente Médio passam pelo estreito de Malaca para China e Japão. Acontece que a marinha americana controla todo o tráfego destes navios. Dá para notar a pressão exercida pelo "poder da energia" no crescimento da China, Índia, Rússia. Principalmente se for mutuamente excludentes em termos de energia. Esta situação leva a busca de alternativas, mas nem sempre estas alternativas agradam aos "donos da bola". A China obtém 7% de seu petróleo importado do Sudão, onde a mesma investiu 3 bilhões de dolares em infra-estrutura para perfuração de poços. O Irã fornece 13% do petróleo chinês. Perfurações a oeste do mar da China na linha que o Japão considera sua fronteira. O Japão ofereceu maiores vantagens na construção de um óleoduto em direção ao Oriente. A China não gostou. Percebe-se a tensão existente na região.

Caso as tendencias atuais persistam, a China passará de 7 milhões de barris/dia para 14 milhões por volta de 2012. Isso significa encontrar uma nova Arábia Saudita.

O que se fazer?

Acho que devemos criticar, mas também dar exemplos. Estimular seriamente a pesquisa e utilização de fontes renováveis alternativas. Carros menores, mais econômicos, hibridos. Planos e projetos em conjunto com outros países como a China por exemplo, para termos alternativas viáveis a todos. Não estamos falando em substituir totalmente gasolina, gas, óleo. Mas sim, em estabelecer metas e ter uma legislação aplicável para que se consiga manter um crescimento sustentável, procurando estabilizar o outro lado da balança - barril de petróleo. E falando em exemplos, temos o nosso projeto pro-alcool e sua mistura à gasolina. É um case de sucesso, como uma alternativa viável (pode não ser a melhor em vista da área de plantio). Outro é o biodiesel ainda em testes. Vamos usar nossos cientistas e energia para que possamos deixar um legado melhor para aqueles que ainda estão por vir.

[]s

4 comments:

Anonymous said...

O Brasil tem exemplo para dar com o pro-álcool...

Esther Croudo Bitrán said...

Muy interesante.

Saludos desde Chile.

Leonardo Baiocco said...

nao somente o pró-alcool... mas agora tb tem o Bio-Diesel

Clau Komamura said...

Por que será que mega-investidores como George Soros, Bill Gates e os fundadores da Google estão tão interessados no etanol?