Sunday, July 23, 2006

Sadia e Perdigão

A semana foi tumultada para a Economia nacional: a taxa SELIC foi definida em 14,75% ao ano pelo COPOM, a VarigLog adquiriu a Varig e manteve somente a Ponte Aérea com o intuito de gerar caixa, foi divulgado o índice de inflação ao consumidor nos EUA, ... Dentre todas estas notícias que tumultaram o mercado, uma que chamou a atenção foi a proposta da Sadia em adquirir a Perdigão.
A Sadia ofereceu pagar R$ 27,88 por cada ação da Perdigão, mas a proposta só seria válida com a adesão de metade das ações mais uma. O valor oferecido era 21% maior do que o valor da ação da Perdigão no em 14 de julho e 30% maior do que a cotação média do papel nos últimos 30 dias. Por conta do movimento, o resultado foi que a ação da Perdigão teve a maior alta da semana no Ibovespa (17,39%), na frente de Braskem e Copel.
A grande questão na aquisição de 100% da Perdigão pela Sadia seria a concentração no mercado de congelados. De acordo com pesquisas de mercado da ACNielsen, as duas empresas juntas teriam mais 50% do mercado de produtos industrializados e entre 60% e 80%, em alguns itens como hambúrgueres e empanados, de produtos congelados. Sozinha, a Perdigão, por exemplo, informa que responde por 26% dos volumes vendidos no mercado de produtos industrializados e 34% do mercado de congelados.
A Sadia estaria interessada em adquirir a Perdigão para fazer frente à concorrência internacional, incluindo a Tyson Foods Inc. e a Smithfield Foods Inc. Caso a operação tivesse sucesso, o novo grupo Sadia-Perdigão teria uma receita líquida superior a R$ 12 bilhões, 81 mil empregados, cadeia produtiva com cerca de 16 mil produtores e exportações para mais de centena de países. A nova empresa teria um poder de barganha maior com fornecedores e ainda teria uma rede de distribuição maior. Analistas do mercado diziam que a Sadia teria que vender alguns de seus ativos para evitar a posição dominante no mercado interno, o que faria com que o CADE vetasse a operação.
Dados da FAO, organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, indicam que para atender à demanda por proteína animal nos próximos anos o mundo precisaria produzir três vezes a oferta brasileira. Só de frangos o Brasil exportou no ano passado 2,84 milhões de toneladas. Em 1999, o País exportava 770 mil toneladas de carne de frango. Nesse período, o salto foi de 268,4%. Em suínos, as exportações em 2005 foram de 2,7 milhões de toneladas. O aumento foi de 48,9% em relação a 1999, quando as exportações foram de 1,8 milhão.
A proposta foi recusada pelos controladores da Perdigão por ser menor do que o valor avaliado da empresa pelos acionistas e analistas de mercado e também por ferir o estatuto social da mesma. No entanto, ainda resta a questão: será que uma operação dessa grandiosidade deveria ser permitida pelos órgãos reguladores? Se as empresas mais eficientes são aquelas que sobrevivem no mundo globalizado, deveríamos pesar qual seria o impacto maior: o impacto no mercado interno ou a ineficiência em um mercado externo altamente competitivo.
Para ler mais sobre a Sadia e a Perdigão:

5 comments:

Dante (E.B.G.) said...

A atitude do COPOM é louvável, mas só baixar a taxa de juros não basta: para que a mudança seja sentida por todos, é preciso fazer algo para reduzir o enorme desnível entre a taxa básica e aquela cobrada pelas instituições financeiras.
Já a fusão da Sadia com a Perdigão me parece um caminho sem volta. O ciclo de fusões das grandes empresas, particularmente notável no ramo automobilístico, é uma tendência mundial de forma que casos como o da Ambev não foram uma exceção, mas apenas um início.

Anonymous said...

Parece que o foco dos holofotes recairam sobre a Perdigão! E claro, houve uma valorização maior do que o esperado. Mas a compra pela Sadia não se consumou...Foi manobra?

Clau Komamura said...

Com certeza houve uma valorização da ação da Perdigão, sem falar que era uma operação complicada pois claramente geraria controvérsia no Cade. Além disso, o negócio não conteceu por ferir o estatuto social da empresa - ponto básico que deveria ter sido verificado pela Sadia antes da proposta, a meu ver. Não estou duvidando que a Sadia não quisesse de verdade adquirir a Perdigão, afinal de contas seria uma oportunidade excelente para atacar o mercado internacional, mas sem dúvida o modo como foi conduzida a operação deixou muita coisa a pensar.

Anonymous said...

Mais uma da internet!
Um cara com 100 dólares no bolso resolveu lançar um blog desafiando os economistas e especialistas em mercados de ações para darem dicas diárias de compra e venda, de modo a alcançar U$ 1.000.000,00. É um desafio e tanto!
A empreitada não tem prazo definido para terminar...

Clau Komamura said...

Passe o link, fiquei curiosa! :-)

Se bem que teve aquela história do sujeito que trocou um clipe de papel vermelho por uma casa...por incrível que pareça!

Veja a façanha no blog:
http://oneredpaperclip.blogspot.com/

Abs