Monday, July 03, 2006

Visita da Ministra das Relações Exteriores do Reino Unido ao Brasil


Nesta segunda, dia 03 de julho, tive a oportunidade de participar da palestra proferida pela Ministra das Relações Exteriores do Reino Unido aqui na Fundação Getulio Vargas de São Paulo. Foi uma surpresa agradabilíssima. Sua Excelência Margaret Beckett falou sobre o tema: "Desafio do Multilateralismo".

Ela defendeu que não é possível as nações pensarem unilateralmente, mas que é necessário procurar o bem comum. Ao seguir um enfoque unilateral, corremos o risco de ter um nivelamento por baixo em política externa, com cada país defendendo individualmente seus interesses nacionais. O multilateralismo seria, então, uma resposta à globalização das economias e das ameaças.

Ela chamou a atenção da importância do Brasil neste mundo, surgindo nos grupos dos países emergentes (ou reemergentes) mais notadamente:

G-4: Brasil, Índia, Japão e Alemanha. O G4 foi formado com o intuito de apoiarem as propostas uns dos outros para ingressar em lugares permanentes no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Ao longo da palestra, a Ministra fez questão de defendera inclusão do Brasil, assim com de outras potências emergentes, no Conselho de Segurança da ONU. Cabe lembrar que hoje, a ONU possui 5 membros permanentes com poder de veto no Conselho de Segurança: China, Estados Unidos, Reino Unido, França e Rússia.

BRICS: Brasil, Rússia, Índia, China e Africa do Sul. Esse grupo abrange 43% da população mundial! No ano passado, o PIB dos países do BRICS superou 1/10 do total mundial, sendo que tal proporção deve mais do que dobrar na próxima década.

Chamou a atenção a menção que a Ministra fez ao desenvolvimento de projetos no âmbito do Mecanismo ed Desenvolvimento Limpo. Ela ressaltou que o Brasil está dando o exemplo ao mostrar aos outros países em desenvolvimento que é possível que a economia cresça de forma sustentável e com baixas emissões de carbono. Em 2004, ela citou, o Brasil investiu valor superior a US$ 3 bilhões em mais de 100 projetos de energia eólica, biomassa e pequenas hidrelétricas, totalizando 3.300 megawatts de capacidade instalada.

A Ministra ainda ressaltou que a segurança climática e energética deve ser uma prioridade para o governo do Brasil. O governo britânico trabalha em conjunto com o brasileiro para definir formas de encorajar uma produção em escala bem maior que atual de bioetanol a partir de açúcar.

Sem dúvida, uma palestra fascinante que mostrou a necessidade da inclusão dos países emergentes na tomada de decisões e desenvolvimento da economia mundial.

Leia as notícias sobre a visita da Ministra Beckett ao Brasil:
Estadão
Terra OnLine
Google Notícias


Imagem: Margaret Beckett e Kofi Annan. Fonte: Yahoo!

3 comments:

Marcello said...

Gostei deste artigo, Claudia.
O Multilateralismo como um jogo do ganha-ganha. Todos ganham com isso. Quanto ao exemplo do bioetanol,
o Brasil tem tecnologia e muita terra e água para o desenvolvimento do etanol. Inclusive, eu li que a produção poderia dobrar, sem que se dobrasse a área de plantio, reaproveitando os insumos do álcool para gerar mais álcool! E olhe que interessante... Biomassa, Emissões baixas, terras abundantes, Preço competitivo e... um país pacífico - Brasil!

Anonymous said...

Nem dá para acreditar que estamos falando de Brasil!

Clau Komamura said...

Pois é, pessoal. E olha que a Ministra fez questão de enfatizar que era uma pessimista de carteirinha!